Lispectoreando

Lispectoreando

“Os escritores são meros ladrões do cotidiano, transformando esse tédio refinado em algo azul. O pensamento voa feito borboleta, sem destino. Esse declínio, feito menino, sobressalta sobre o vento, se inspirando, suspirando.” (Giovanna Ritchely)

Há mulheres que são referências, renovando e moldando nossas preferências.  Sempre temos alguém em quem nos inspirar e admirar. Essas mulheres fazem parte do quebra-cabeça construtivo da nossa personalidade. Além dos paradoxos estéticos, há toda a essência do  ”ser ou não ser, eis a questão”, temos atitudes ou conceitos que nos inspiram, seja pelo olhar daquela aclamada atriz, da voz suave da cantora, da mulher do dia-a-dia que batalha nas rotinas puxadas e estressantes, mas mesmo assim seguem sorrindo, e claro, todas as outras que fizeram e fazem história.

Qualquer palavra é um enredo para a construção da nossa história, todas as pessoas que passam pelos nossos dias nos marcam de alguma forma e contribuem positivamente ou negativamente. Cada uma dessas pessoas é personagem da nossa peça de teatro individual. E nas palavras, não poderia ser diferente, a inspiração aparece como semente.

Desde que me conheço por gente, lembro dos  livros, quando visitava minha avó no interior do  Paraná,  parava nesses cantos de estrada e sempre ganhava de minha mãe pequenas histórias ilustradas, tinha uma grande coleção e tratava como um tesouro, um teletransporte de mundos, queria navegar, outras horas flutuar e voar, voar, a doce imaginação nostálgica.

Talvez, seja por isso que tenha uma apreciação demasiada por livros, quando leio algo é como se estivesse batendo um papo com um deus grego, me agregando de inspiração e sintonia em um universo paralelo, um livro que me inspira e me insere na história, fazem com que as personagens sejam meus companheiros de bar,  aqueles amigos íntimos que me contam os segredos mais ocultos e me fazem rir das desgraças cotidianas dessa vida.

E quando  a palavra FIM resolve aparecer em letras estrondosas,  sinto um vazio, como se abrisse um abismo entre os meus pés. Dentre tantas escritoras, poetisas, uma das que me inspiram, com certeza é a senhorita Clarice, pelos seus escritos e sua personalidade.

Clarice, nasceu na Ucrânia de família judaica, recebeu o nome de Haia, seu nascimento ocorreu quando  sua família emigrava para o continente americano, fugindo dos ataques nazistas. Veio para o Brasil ainda pequena, sua família passou por situações financeiras dificeis, entretanto, a leitura sempre estava presente em sua vida, pegava livros emprestados da biblioteca de uma amiga, entre os livros estava ‘Narizinho’ de Monteiro Lobato.

(A pequena Clarice, esboçando um sorriso)

Fernando Sabino a descreve brevemente, poeticamente e profundamente:

Clarice Lispector é uma coisa escondida sozinha num canto, esperando, esperando. Clarice Lispector só toma café com leite. Clarice Lispector saiu correndo correndo no vento na chuva, molhou o vestido perdeu o chapéu. Clarice Lispector é engraçada! Ela parece uma árvore. Todas as vezes que ela atravessa a rua bate uma ventania, um automóvel vem, passa por cima dela e ela morre.

(Um cigarro,  máquina de escrever e palavras)

Com a expansão da internet, várias frases surgiram com o nome da referida, é interessante para se conhecer um pouco da obra da mesma, entretanto, se limita o todo e se cita frases, pensamentos que não são do mesmo. E quem nunca leu, postou, escreveu em uma folha sem vida,  uma frase de Clarice, que traduz as dores de cotovelo, os amores inconstantes, para falar da vida, da dor, ou  simplesmente, para se auto afirmar? Essa autora reescreve os poemas dos poetas, inspira os amantes. Ela é daquelas que marca o outono, é tempestade no verão.

Dentre tantas frases, essa é uma das que mais me agradam.

“Amanheci em cólera. Não, não, o mundo não me agrada. A maioria das pessoas estão mortas e não sabem, ou estão vivas com charlatanismo. E o amor, em vez de dar, exige. E quem gosta de nós quer que sejamos alguma coisa de que eles precisam. Mentir dá remorso. E não mentir é um dom que o mundo não merece.”

 Clarice, Haia, ou simplesmente aquela escritora, poetisa que traduz em palavras sentimentos de amor e liberdade. Que nos arranca deste sufoco real, quem me derá viver só de poemas e contos.

Sobre Giovanna Ritchely

Se veste de poesia para encenar a sua vida nos palcos mundanos. Neste labirinto de letras, palavras e frases prontas, escreve tímidas poesias, matuta ideias, ideologias e inspirações cotidianas que se preenchem de fôlego em uma roda viva que gira sem parar, se equilibrando feito bailarina torta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s