Desaventuras amorosas

(…) Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração?

Desaventuras amorosas

A vida é um caos. Na verdade o que é verdade?, a vida é tudo aquilo que acreditamos que ela seja. Como ser vivente já vi, ouvi, vivi e falei muitas coisas. As outras coisas simplesmente aconteceram…

Vou começar falando de relacionamentos, pois tudo de uma forma ou de outra gira em torno deles. Primeiro temos a família, ou ao menos um lugar e as pessoas que nos criaram. Depois, ou quem sabe ao mesmo tempo, temos os amigos. Adiante, com o crescimento do círculo social, temos colegas e conhecidos. Existem também os desconhecidos, aqueles que encontramos por acaso na rua. Só que toda essa amostragem é muito ampla e generalizada, então focaremos apenas em uma parte dela, mais especificamente nas experiências de uma garota com o sexo oposto não esperem nenhuma revelação muito íntima, devo advertir.

O ano em questão é o de 1999, mês  de Junho, inverno, dia dos namorados, o dia em que a garota esteve com o primeiro namorado. O local em questão é uma feira municipal, onde se comemora as festividades juninas. Depois de trocarem presentes, ele disse: “tenho uma coisa pra te falar.” Pode saber que é treta na certa! Ela o fitou imediatamente e respondeu: “fala”. Eis o conjunto de palavra que saíram da boca do jovem cafajeste: “Eu estou ficando com outra garota”. Amedrontada e confusa, ela não disse mais nada. Enquanto isso, ele implorava para que ao menos ela o xingasse.

De repente veio a trilha sonora, uma música que começara a tocar alto na feira. A letra assim dizia: “Ser corno ou não ser, eis a minha indagação”. O pior é que não estou mentindo. Foi aí que a garota aprendeu a rir da própria desgraça e a xingar os homens”.

Alguns anos depois, ela namorou um outro rapaz que dizia que era ela a causa de ele ser um péssimo guitarrista. Como se ele não tivesse a escolha de ficar em casa e praticar um pouco… É sempre mais fácil culpar alguém, não concordam?

Depois, veio outro relacionamento de longos anos. Todas aquelas pessoas que sempre fazem o que todas as outras pessoas fazem perguntavam quando seria o casamento. A verdade é que ela não queria se casar. Só que logo surge aquela pessoa que faz você mudar de ideia, mas já era outra pessoa. O problema é que quando você muda de ideia, você acaba acreditando em contos de fada, muitas pessoas escolhem os parceiros errados para cair nessa. Ele era o príncipe encantado dela: longas madeixas loiras, olhos verdes ou azuis, boa família, boas intenções… mas morava num reino muito muito distante e descobriu que a moça não tinha vocação para princesa porque gostava de beber uma cervejinha de vez em quando.

O que tiro de lição ouvindo essas histórias é que não adianta ficar de mimimi se uma relação não tomou o rumo esperado. Meu, quase todo mundo já ficou em prantos por um amor perdido e logo depois já estava feliz da vida com outra pessoa. Como dizem por aí, o sofrimento pode trazer grande aprendizado. Nada melhor do que rir das próprias desaventuras, sejam elas amorosas, profissionais ou que envolvam outros tipos de relacionamento.  Só não é muito agradável quando a coisa fica pública, como no caso dos famosos, mas mesmo assim sempre há quem se divirta com a própria desgraça e principalmente com a desgraça alheia.

Alguns famosos e suas desventuras amorosas

Casal jovem e feliz, uma história de amor perfeita  até que…

A moça é flagrada com seu amante, um colega de trabalho.

O príncipe que trocou a princesa pelo grande amor da sua vida. É, dizem que o amor é cego.

O galã que partiu o coração de uma bela trocando-a por outra bela.

Shit happens all the time e com todo mundo…

E daí que você já foi trocado, levou um chifre na sua vida, já foi demitido do emprego ou já quase chorou na frente do seu orientador de monografia, o que importa é que sempre existe uma boa música, perfeita para cada uma dessas ocasiões. Sempre uma boa música para os momentos gloriosos e também para os momentos de infortúnio.

Como em tudo na vida a gente sempre tem uma escolha a fazer, é como dizia aquela música do Mamonas Assassinas: “ Ser corno ou não ser, eis a minha indagação…” E chega de mimimi, povo! Digo, respeito o mimimi de vocês, mas bora lá tomar cerveja, ou um mate ou um leite, whatever… Bora lá cultivar seus ninhos de mafagafos!