Femme Fatale: Personagens marcantes na história do cinema

Femininas, cultas, frágeis, fortes, desequilibradas, imaturas, sexuais, sensuais, fatais e tantos outros adjetivos existentes para mulheres completas e imperfeitamente perfeitas, da cabeça aos pés.

Sexo feminino este que por tanto tempo foi alvo de preconceitos absurdos, ofensas, descrenças, abusos e é claro, amor.

Amor fraternal, eros, ágape, o que seja. Elas são amadas por serem exatamente quem são, com seus defeitos e efeitos.

Algumas delas transformaram a sétima arte e se tornaram figuras marcantes na história do cinema, com grandes e inesquecíveis personagens reconhecidas e admiradas a nível mundial. Cada personagem com a sua história, individualidades e principalmente, seu sexo.

Para começar a lista, ninguém melhor do que a eterna musa Marilyn Monroe, em Quanto Mais Quente Melhor. Na obra, Marilyn é a sexy Sugar Kane, vocalista da banda Sweet Sue. Além de sua já habitual beleza estonteante, a loira mais cobiçada do mundo mostra seus dotes e habilidades musicais, as quais encantam o protagonista Jerry (Jack Lemmom).

Holly Golightly (Bonequinha de Luxo) – A doce Audrey Hepburn imortalizou-se em seu papel de Holly Golightly, uma garota de programa que sonha em casar-se com um milionário. Entretanto, o destino prega uma peça na inocente e ambiciosa moça que toma café todos os dias em frente à irreverente joalheria Tiffany’s, a fim de esquecer seus problemas cotidianos. Símbolo estético, Audrey mostrou ao mundo que é possível ser linda, sem ser vulgar.

Catherine Tramell (Instinto Selvagem) – No mundo do cinema há espaço para todos os tipos de mulher, inclusive para as fatais. Sharon Stone em Instinto Selvagem, é Catherine Tramell, símbolo erótico que traça uma linha tênue entre sexo e perigo, transformando o filme em um clássico instantâneo, assim como a cena mais picante e pausada do mundo, a bela e excitante cruzada de pernas de Sharon.

Aileen Wuornos (Monster – Desejo Assassino) – A belíssima Charlize Theron ficou irreconhecível nesta obra que consagrou-a como uma das maiores atrizes de Hollywwod. A transformação física fez com que Charlize abandonasse seu visual esbelto e sexy, abraçando sua personagem mais intensa, Aileen Wuornos. Considerada a primeira serial killer americana, Aileen foi condenada a pena de morte após ter cometido o assassinato de vários homens, todos decorrentes de uma vida regada a abusos sexuais na infância e prostituição na vida adulta. Merecido Oscar de Melhor Atriz foi concedibo a Charlize em 2004, por seu papel mais visceral e brilhante, Aileen.

Beatrix Kiddo (Kill Bill Volume I e II) – Quentin Tarantino, Uma Thurman e muito sangue. Kill Bill trouxe a tona a Mamba Negra, a Noiva ou a Mamãe, como ficou conhecida Beatrix Kiddo, provavelmente a personagem mais conhecida e amada pelos fãs do diretor. Criada por Tarantino e Thurman, Beatrix é vingativa, violenta, impiedosa e um dos maiores símbolos do que uma mulher com ódio é capaz de fazer, até mesmo sobreviver a um tiro na cabeça.

Grace Margaret Mulligan (Dogville) – Nicole Kidman prova, na pele de Grace, ser capaz de produzir mel e veneno. A fim de fugir da máfia, Grace encontra abrigo em uma pequena cidade chamada Dogville, onde de início acredita ter encontrado a tão desejada paz. Entretanto, os moradores locais que no começo mostravam-se tão receptivos, no decorrer da obra mostram-se os verdadeiros monstros humanos. Com um final brilhante e inesperado, Lars Von Trier deu vida a um clássico cult fora de época.

Dora (Central do Brasil) – Escritora de cartas para analfabetos, Dora transcreve os inúmeros relatos que ouve diariamente. É neste contexto que conhece Josué e sua mãe, que procuram pelo pai do menino. Entretanto, devido a um acidente fatídico, Dora se vê obrigada a acolher a criança, envolvendo-se em sua história triste e densa. A brilhante Fernanda Montenegro foi a primeira e única atriz brasileira a ser indicada ao Oscar de Melhor Atriz, façanha alcançada por seu papel memorável em Central do Brasil.

Maggie Fitzgerald (Menina de Ouro) – A versátil Hilary Swank interpreta em Menina de Ouro a corajosa e determinada Maggie. Decidida a seguir carreira no boxe, Fitzgerald luta não apenas no esporte, mas também tenta vencer o preconceito por ser mulher. Após muito tentar, consegue que Frankie (Clint Eastwood) a treine, e a transforme em uma lenda.

Alice Ayres ou Jane Jones (Closer – Perto Demais) – Alice,  é uma mulher aparentemente vulnerável. Porém, sua sensualidade, personalidade e atitude sobrepõem-se à sua sensibilidade feminina. A stripper, após conhecer Dan Woolf (Jude Law) sequencialmente a um acidente, constrói uma relação amorosa que posteriormente transformará a vida de todos os envolvidos. Natalie Portman reafirma seu talento com esta personagem profunda, extremamente sensual, densa, intrigante e acima de tudo, magnética.

Estas são apenas algumas das grandiosas, e porque não,  impiedosas personagens femininas mais marcantes da história do cinema mundial. Gostaria de complementar a nossa lista de espécimes?