HUMOR: Chegou a vez DELAS!

Editora Responsável: Ana Carolina Meller

No post passado, falei sobre as comédias que tinham como enredo a vida de mulheres modernas de uma forma cômica. A querida mafagafa e leitora, (tia) Anabella Ferrarini, lembrou em seu comentário da série que leva o nome de uma comediante que vem se destacando sobre os roteiros que assina e também com seu talk show, Whitney Cummings.

Para poder pedir desculpas por esse erro, resolvi fazer um post sobre dez comediantes nacionais e internacionais que mais se destacam fazendo mafagafas e brotos rirem.

Confesso que foi complicado de fazer, afinal a maioria dos indagados não se lembravam de mulheres que atuam nessa área. Os maiores conhecidos eram os homens, achei um absurdo, porém me lembrei de uma entrevista da Tata Werneck na Marília Gabriela onde ela contava que realmente esse ramo da atuação é meio machista e é complicado ver mulheres sendo consideradas estrelas.

Vamos agora refrescar a memória dos esquecidos, apresentar para aqueles que não conhecem e também reforçar o porque essas mulheres são ótimas na arte de fazer rir, para aqueles que curtem o trabalho delas.

Dividi esse post em cinco mulheres internacionais e cinco nacionais. Vamos começar pelo território brazuca:

A eterna Cornélia de Toma Lá Da Cá

A eterna Copélia de Toma Lá Da Cá

Arlete Salles: Pode-se dizer que essa mulher nascida em 1942 é ainda hoje uma das maiores atrizes brasileiras. Além de fazer teatro, cinema, rádio (na época das radio novelas) e televisão. Quem não se lembra de uma de suas personagens extravagantes e super engraçadas na rede globo de comunicação? Um dos mais lembrados é a Delegada Fransisquinha em Pedra sobre Pedra e claro não poderíamos esquecer a perúa, periguete e louquíssima Copélia de Toma Lá Da Cá.

 

A Über modelo mais louca do mundo

A Über modelo mais louca do mundo

Ingrid Guimarães: Quem nunca ouviu falar da Ingrid Guimarães? Não deve ser desse país ou do mundo. A moça foi a modelo Leandra Borges na Escolinha do Professor Raimundo, depois fez o mesmo papel no Fantástico. Além de interpretar a sócia de Heloísa Périssé, no Sob Nova Direção. Atualmente ela está em cartaz com a peça Cócegas, o qual o roteiro foi escrito por ela mesma e conta com a atuação da amiga e humorista, que já falamos aqui, Heloísa Périssé. E também no filme De Pernas Pro Ar 2 com a Maria Paula.

 

A mulher de terno e gravata!

A mulher de terno e gravata!

Monica Iozzi: Ela é a mulher entre o bando de machos do CQC. É isso mesmo que você leu, ela é a responsável por representar nós mulheres no meio de nada mais e nada menos que Marcelo Tass, Felipe Andreoli, Marco Luque, Maurício Meirelles, Ronald Rios. Começou a participar do Custe o Que Custar a partir de 2009, depois de ganhar o concurso para o oitavo integrante do programa, mas começou a carreira antes disso, fazendo Artes Cênicas na Unicamp.

 

A baixinha da MTV

A baixinha da MTV

Tatá Werneck: Essa publicitária também é formada em Artes Cênicas e foi chamada para fazer parte do DEZImprovisa, que era um extensão do DEZnecessários. Até que seus colegas de palco, Paulinho Serra e Rodrigo Capella. Atualmente ela faz parte do elenco do programa Comédia MTV e do Trolalá. Além desse currículo, a moça também tem um projeto paralelo, Os Inclusos e os Sisos, que é a primeira iniciativa voltada para deficientes, visando a acessibilidade dessas pessoas no teatro. Por último podemos dizer que é considerada a mulher do momento no que se diz respeito ao humor e ao stan up brasileiro. No cinema seu filme mais recente é com outra senhora que está nessa lista, De Pernas Pro Ar 2 com Ingrid Guimarães.

 

Humor no trabalho e no amor

Humor no trabalho e no amor

Dani Calabresa: A loira é amiga de infância de Danilo Gentili e esposa do Marcelo Adnet. Mas olha que vida chata que essa comediante deve ter. É uma das integrantes do Comédia MTV e também do Furo MTV, onde divide a cena com o Bento Ribeiro. Em 2011 foi considerada uma das brasileiras que mais se destacaram, pelo poder, pelo trabalho e pela capacidade de mobilizar/inspirar. Para este ano, dizem, por ai, que ela será a mais nova integrante do CQC na Band e também poderá ter futuramente um programa só dela.

Deixando de lado nossas divas nacionais, vamos dar um hello para as gringas:

 

Mulher do humor sincero e inteligente

Mulher do humor sincero e inteligente

Whitney Cummings: É a uma das responsáveis pelo roteiro de Two Broke Girls e também pelo Whitney, série a qual estrela e tem como tema a sua vida. Além disso, é conhecida nos estados unidos pela comédia de stand up e por participar do programa de sua amiga e também humorista Chelsea Hendler. No final de 2012 as duas começaram um novo projeto, produzida por Chelsea, o talk show Love You, Mean It. Tem aquele humor cheio de duplo sentido, divertido, espontâneo e sem papas na língua. O seriado Whiney é uma das suas grandes sacadas porque mostra a vida de uma mulher moderna, que trabalha, tem amigos e também vive desaventuras amorosas.

 

A loira da língua afiada do canal E!

A loira da língua afiada do canal E!

Chealse Handler: Essa loira é conhecida como escritora, comediante e apresentadora. Atualmente é produtora do programa da Whitney Cummings, produtora e apresentadora do Chelsea Lately e roteirista da série Are You There, Chelsea?, que é baseado em um dos seus livros auto biográficos. O seu humor é meio ácido, sem papas e tem o costume de tirar o bom sarro das celebridades e dos programas de televisão. Em seu Talk show costuma receber outros três comediantes para satirizar a vida hollywoodiana e no final uma rápida entrevista com celebridades.

 

A girl do momento

A girl do momento

Lena Dunham: A ganhadora dos dois prêmios mais cobiçados pelos concorrentes no Golden Globe 2013 (melhor atriz de comédia e melhor show de comédia). É a nova queridinha quando se trata de humor nos Estados Unidos. Lena é a criadora do fantástico seriado Girls, produzido pela HBO. Essa garota de apenas 26 anos é roteirista, atriz e também cineasta. Para aqueles que conhecem o seu seriado, sabem que ela é a protagonista e que quis fazer algo totalmente anti Sexy and The City, nesta versão as 4 amigas estão em Nova York, porém tentando se adaptar a esse estilo de vida.

 

"Deusa" da comédia americana

“Deusa” da comédia americana

Tina Fey: OMG! O que dizer da Tina Fey? Ela é simplesmente fantástica! Uma das roteiristas e antiga participante do elenco de Saturday Night Life e roteirista e atriz de 30 Rock. Não tem como dizer que ninguém a conhece, se você é uma dessas pessoas, só poderia estar fora desse planeta ou então em uma ilha deserta no meio do nada. Tina Fey é um fenômeno da comédia americana nos últimos anos. Podem achar que é um exagero, mas olha a lista de premiações de Fey:sete Emmy Awards, três Golden Globe, quatro Screen Actor Guild Awards, quatro Write Of America Awards, um “Animadora do Ano” pela Associated Press e uma nomeação ao Gremmy Award pelo livro Bossypants. Além disso, esse ano apresentou o Gonden Globes ao lado de Amy Poehler, marcando assim a primeira vez que o prêmio é apresentado por uma, ou melhor, duas mulheres.

 

A semi deusa do humor americano

A semi deusa do humor americano

Amy Poehler: É a coleguinha de Tina Fey, aquela que arrasa e faz todo mundo rir quando estão juntas. Mas é conhecida por ser roteirista, comediante, atriz e produtora. Ficou mundialmente conhecida por seu trabalho em Saturday Night Live, atualmente está na série Parks and Recreation. Os dois filmes mais conhecidos que participou foram Mean Girls, produzido por Tina, e o Mama Baby, que foi estrelado também ao lado da amiga. Destaque pelas duas indicações ao Emmy e também por ser uma das apresentadoras do Golden Globes 2013.

http://www.youtube.com/watch?v=ZeQssS61_mg

Para finalizar e deixar um gostinho para vocês do que foi ver um pouco de Tina Fey e Amy Poehler no Golden Globes:

Ráh! Primeira vez que duas mulheres apresentam a premiação.

Ráh! Primeira vez que duas mulheres apresentam a premiação.

http://www.youtube.com/watch?v=LQdpW_hZfik

Beijo e um tapa na cara dos comediantes homens, porque as mulheres estão ai para nos fazer rir lindamente!

A ditadura do nosso senso crítico

Editora Responsável: Ana Carolina Meller

 A ditadura é considerada uma opositora à liberdade de expressão. Nela, o povo não possui direito de opinião e deve seguir à risca as leis impostas por determinado governo.

Já faz um bom tempo que a ditadura passou pelo Brasil, mas será que somos, realmente, livres para dizer o que pensamos? A influência da mídia, afinal de contas, seria muito diferente de um regime ditador?

Hoje o mundo pode pensar e falar o que quiser, não é? Acho que não.

Recentemente, um homem foi expulso da câmara de vereadores de Piracicaba (SP) porque se recusou a ficar em pé para a leitura de um trecho da Bíblia. A ordem foi dada pelo presidente da câmara e cumprida por policiais que usaram a força para retirar o cidadão.

Até onde eu sabia, o Brasil era um estado laico, mas… Talvez eu esteja enganada (ou a teoria já não vale como a prática!).

Os meios de comunicação são influenciados por quem está no poder. A teoria diz que o profissional comunicólogo deve ser o mediador entre a realidade e a sociedade. Logo, seu papel é filtrar o que seria mais relevante e repassar para o povo – na íntegra.

Infelizmente, não é bem isso o que acontece. Os desejos do topo da cadeia hierárquica conduzem os caminhos da informação que será disseminada através de suas ideologias e interesses.

Com o humor, por exemplo, agora é assim: usam temas para ofender pessoas, mas a piada perde a graça quando o assunto é com elas. A pessoa ri de algum trocadilho sobre “câncer”, mas quando alguém fala sobre um problema que ela ou uma pessoa de sua família sofre, se ofende e começa a criticar.

É por isso que muitas pessoas perdem o bom humor. Rir da desgraça alheia não pode ser considerado comédia.

Mais um grande exemplo é o “humorista”, Rafinha Bastos. Uma piada infeliz o levou a um declínio instantâneo. Perdeu seu cargo em um programa de sucesso que, era transmitido por uma emissora aberta e, agora tenta encontrar o seu lugar ao sol. Isso nos leva a pensar: até que ponto vale à pena fazer piadas agressivas e humilhantes?

Sei que o repertório fica menor quando nos policiamos para não falarmos mal de algo ou alguém, fazendo chacota ou tirando sarro. A solução para o problema, porém, é muito simples! Basta pensar no tal “desconhecido” respeito. Não se censure com o que, realmente, lhe incomoda. Faça críticas com interesse, mas não ofenda.

Por falar nisso e, voltando aos tempos da ditadura, será que antes nós não éramos mais críticos? Hoje as pessoas aceitam que lhe empurrem músicas ruins, filmes ruins, textos ruins e cultura ruim. Mas, naquela época, a realidade não era bem por aí.

As pessoas contestavam e protestavam contra um governo totalitário, mesmo correndo o risco de serem presas, torturadas e mortas. Hoje, em compensação, o ser humano se deixa levar, somente, por medo de ser contestado e não ter argumentos. Mas, se não há argumentos, não há uma opinião concreta.

Alguém com uma boa oratória diz que isso é “legal” ou que isso é “chato”. Te proíbe de fazer “tal” coisa ou te incentiva e você vai na onda, conforme a maré. Talvez seja, justamente, essa a nossa diferença para as pessoas de 50 anos atrás: perdemos a capacidade de raciocinar. Prova disso são os casos de pais que jogam ácido em suas filhas no Oriente Médio, simplesmente, porque alguém disse que “olhar para um homem” é uma desonra para a família. Ou ainda, aqueles que acreditam e assistem vídeos ensinando um homem a conseguir sexo anal com sua parceira, através do estupro.

Nós não sabemos de onde surgem essas regras, essas leis e costumes e, nem mesmo, porque eles funcionam dessa forma. Obviamente, essa organização beneficia alguém que possui muito poder, então, cabe a nós mudarmos nossa própria vida e tentarmos fugir da alienação constante.

Estamos perdendo o que nos difere de outros animais: a atividade cerebral. Resumindo: você pode até dizer o que quiser, mas se não for de acordo com a cultura de ódio da massa, imposta por “sei lá quem”, esteja pronto para sofrer as consequências.

Já dizia Renato Russo, esse é um mundo onde a verdade é o avesso.