Religião x Orientação Sexual

Algumas semanas antes da entrevista de Silas Malafaia com Gabi ir ao ar, nós desaventuradas comentávamos sobre como as pessoas não compreendem que religião e orientação sexual não possuem vínculo nenhum. Já que na Bíblia mesmo diz que esse DEUS é amor e todos os ensinamentos são baseados no respeito e no tal do amor (pelo menos foi assim que aprendi durante meus anos de primeira comunhão e crisma). Foi então que tivemos a ideia de poder fazer uma matéria sobre Religião x Orientação Sexual, então estávamos em busca de “personagens” que pudessem comprovar a nossa opinião. Porém depois dessa entrevista, achamos mais do que justo, mostrar um Reverendo que é homossexual, casado e acredita que para Deus não há sexo. Espero que aproveitem a entrevista com o Reverendo Célio Camargo, de Maringá.

Roberta Rodrigues: Quantos casamentos homossexuais já realizou?

Reverendo Célio Camargo: Foram realizados por mim como reverendo quatro casamentos heterossexuais, uma Bodas de Ouro, dos meus pais com muita honra, e de casais homo-afetivos cinco , sedo somente um deles em Curitiba.

Roberta Rodrigues: Por que acredita que a orientação sexual não interfere na fé daqueles que acreditam em Deus?

Reverendo Célio Camargo: Acredito que a orientação sexual da pessoa como ser humano não o afasta do amor de DEUS, e sendo igreja, levamos a benção de união ao casal com alegria e amor, pois para nós a ICM entendemos que todo amor diante de DEUS é sagrado.

Roberta Rodrigues: Qual a reação das pessoas ao saber que o senhor é reverendo e é homossexual?

Reverendo Célio Camargo: Muitos lidam com a notícia de que sou Homossexual e Reverendo como uma grande conquista, outros com estranheza no momento até que ela seja esclarecida sobre a missão visão e valores da igreja.
Roberta Rodrigues: Como foi saber que era homossexual e que mesmo assim queria seguir o caminho de Deus?

Reverendo Célio Camargo: Já sabia desde pequeno que era diferente, tinha esta percepção, mas nas igrejas que eu passei eu era discriminado pela minha orientação, até que depois de uma tentativa de suicídio e passar dias em um hospital, ao sobreviver descobri que DEUS me amava da maneira que eu sou e descobrindo a ICM descobri o amor de DEUS por mim.
Roberta Rodrigues: O fato de ser gay, em algum momento interferiu na sua fé?

Reverendo Célio Camargo: O fato de ser gay interferiu sim em pontos positivos e negativos, mas procurei depois de descobrir que eu não era uma aberração a servir a Deus e ao Próximo da melhor maneira possível, somando os pontos mais positivos possíveis pois discriminação e preconceito eu já sabia que iria enfrentar, então vivo as coisas lindas e alegres que DEUS me proporciona na minha condição e orientação de ser homossexual, sou casado com meu companheiro, sou feliz, trabalho, cuido de uma casa que abriga LGBTS expulsos de casa, cuido da ICM Maringá no PR, sou feliz e amado por DEUS.
Roberta Rodrigues: Quais seriam o conselho para aqueles que muitas vezes tem medo de se assumir ou então de aceitar que pode sim existir uma vida em que Deus e a orientação sexual coexistam?

Reverendo Célio Camargo: Meu Conselho é que todos e todas independente de sua orientação sexual vivam sua vida com amor e alegria pois a salvação é para todas e todos os filhos e filhas de DEUS, cada pessoa procura viver feliz por si mesma , então não deixe de ser feliz porque não te aceitam como és, apenas seja você mesmo e seja muito feliz DEUS ama o ser humano sem se importar com a orientação sexual de ninguém.

Para terminar este post com esta entrevista, obrigada de todo coração Pastor Célio Camargo por esta oportunidade, para aqueles que ainda assim acreditam que DEUS tem algum preconceito, um beijo e um queijo e voltem para a era das Cavernas!

Os opostos se explodem

Editora Responsável: Roberta Rodrigues

opostos

Dizem por aí que os opostos se atraem, de fato isso ocorre… Mas sempre dá merda. A verdade é que nós seres humanos por algum motivo sentimos a necessidade de nos provar certos, alguns mais que os outros, o que mostra o quão desesperados por aceitação estão, este é o meu caso.

Imaginem – tudo que for dizer aqui pode ser invertido – cristão e atéia, analfabeto e grammar nazi, ele era punk, ela dançava ballet, ele era um skatista e ela disse: te vejo mais tarde piá; Bolsonaro com Jean Willys, imaginem só na TPM do Bolsonaro… O estrago de uma explosão é causado justamente pela pressão que as particulas agitadas, tentando expandir seu alcance, causam, pois sou muito bom com analogias.

Fui agnóstico por um bom tempo na minha vida, bem caladinho, tranquilo. Cresci um pouquinho, já fui dispensado por menina que queria um rapaz que amasse a Deus primeiro. Cresi mais um pouquinho e comecei a apreciar um bom humor negro e um “humor ateu”, não só de página de facebook, mas isso principalmente, pois é o que causa mais brigas, por causa da visibilidade, desde então, além dos cuecas desocupados, já tive ex me dizendo q na nossa época não sabia que eu era tão babaca e que ia arder no inferno, por aí, não contarei da quantidade de namoradas com problemas emocionais que tive, mas por terem sido minhas namoradas, isso estaria subentendido, seja como causa, ou consequência.

opostos4

A verdade é, temos em uma casa, um ateu e uma cristã, como será a orientação religiosa dessa criança? Um ateu poderia muito bem concordar em não tentar influenciar, mas também não permitiria a influência, já a mãe, faz parte de sua religião, o batismo(caso católica), a frequência na missa e por aí vai. Rockeiros e adeptos do sertanejo, como vai ser pra dividir o som da casa? Não digo que há uma impossibilidade de convivência, apenas que temos um grande impasse, o conflito é iminente e em algum momento chegará.

opostos 3

Podemos falar de espaço, mas será que é tão fácil assim respeitar espaços? Creio que cada um tem um seu, alguns são mais expansivos, outros introspectivos, o meio termo está em algum lugar entre as duas opções para ambos, expansivos entram em choque, introspectivos não se batem, não há contato, no meio termo encontramos algo morninho, já expansivos, engolem os introspectivos, mas há gosto pra tudo e todo mundo dá uma variada, humanos são fáceis de se entender, mas difíceis de se explicar e generalizar.

Grammar Nazi* = Seriam como os nazistas da gramática, ou seja, aqueles que não aceitam aqueles que são analfabetos ou que possuem uma linguagem mais rústica, “errada”.

oposto4