A real e sutil beleza de uma mulher

A mulher é um ser que (apesar de muitos afirmarem não ter explicação) assim que nasce recebe instruções de como se portar perante a sociedade, o que fazer ou não fazer para agradar ninguém menos que os homens. E isso, apesar de parecer antiquado, ainda sobrevive atualmente. E, certamente, quando é levado em questão, nos irrita, enfurece e nos leva a situações em que queremos dar um basta em tudo.

Pois bem, assim que nascem e são apresentadas aos familiares, amigos… surge a seguinte frase: “Ela será linda quando crescer!”. E por que a pequena não pode ser linda assim que nasce, por que tem que esperar seus hormônios transformarem seu corpo e forçarem aquela ingênua menina a desabrochar?

Me recordo de uma certa cena quando criança, eu sentada ao lado de minha avó (que já é falecida), brincando com uma Barbie (clichê, eu sei) escutei algo que guardei para mim buscando descobrir o significado: “(…) mal sabe ela que o mundo afora é um ritual de desespero e desperdício para uma mulher!”. Passados 17 anos descobri o significado e, sinceramente, tenho com meus botões pensado sensatamente sobre isso. Não concordo, muito menos discordo, pois o mundo é realmente difícil para aqueles que lutam para realizar seus sonhos, suas metas ou simplesmente para sair da cama logo cedo, ainda mais para uma mulher que precisa se mostrar competente em tudo que faz superando a TPM, as cólicas, o mau humor e a baixa auto-estima de alguns dias no mês, senão o sermão é certo. Mas, por outro lado, já mostramos que não desistimos facilmente, que somos um sexo forte e damos conta de tudo e mais um pouco, não é!

A vida de uma mulher não se baseia somente nas compras mensais, na paixão infinita por calçados, roupas, maquiagens ou cabelos. Há coisas escondidas por nós que poucos se dão ao luxo de apreciar ou reparar, como a sutil felicidade encontrada no olhar de uma apaixonada ao encontrar seu amor depois de um dia aterrorizante ou no sorriso estonteante daquela que realizou-se com a produção de um dia intenso ao ser finalizado.

Estes pequenos detalhes proporcionados por nós mulheres, amantes, esposas, mães, filhas, namoradas, amigas… estão por aí, bem próximos e esperando serem notados e evidenciados com um elogio, uma carícia, uma palavra amiga, um abraço, um aperto de mão, um beijo. Então, não espere pelo próximo momento, faça enquanto esta mulher está ao seu lado!

Pra terminar uma dica especial para os brotos de plantão:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=P6MIg-54zp0

Mulherzice: Cartão vermelho a vista!

Você chega na frente do espelho para aplicar maquiagem antes de partir pro trabalho e se depara com uma espinha gigante saindo no queixo. Ok, é só passar corretivo na área que tudo se resolve. Mas, conforme os dias passam, a única espinha se espalha pelo rosto todo. Uma pequena querendo sair no nariz, mais uma no queixo, uma na bochecha, uma perto da orelha e por aí vai. Nesse caso, muito corretivo, produto para secar e rezar pra que as pragas desapareçam até o final da semana.

O próximo sintoma é uma fome descontrolada de doces, mais especificamente de tudo o que envolva chocolate, ou seja, brigadeiro, nutella, petit gateau, bis e outras especiarias. Tá ficando estranho isso aí viu! Mas, deve ser a pressão do trabalho, da faculdade, da loucura do dia-a-dia ou só uma fase de “eu posso comer porque a médica falou que eu tenho que engordar dois quilos”.

Então, o humor começa a variar mais rápido do que de costume, os pensamentos já não te pertencem mais, têm vida própria e de preferência você nem quer mais lembrar disso ou saber o motivo.  Memórias, nostalgia de tudo aquilo que ficou no passado, saudade de todas as pessoas que estão longe e de pessoas que nem existem na sua vida, mas que você gostaria que existissem.

O negócio tá começando a ficar sério. Então começa a matemática feminina (jamais peça explicações), de quem conhece bem a si mesma e os seus sintomas. Você se olha no espelho novamente e a direção é certeira: a barriga. “Gente, tô inchada! Fuuuuuu!”.

É mocinha, não tem como fugir, a temida TPM está chegando! Nesse ponto, quem entra em desespero sou eu. Cólicas chatas, carência extrema, vontade de chorar com propagandas na TV. Não, please, quebra essa pra mim. faz eu ser como quem não tem tensão do pode matar!

Esses são alguns dos sintomas sofridos por mim e pela maioria das mulheres com quem converso neste período hiper feminino (sim eu acho que a TPM é a coisa mais feminina do mundo, pelo simples fato de que um homem jamais passará por isso). A questão é que no fundo toda mulher fica mais sensível, por mais que eu não tenha muito essa coisa de tensão pré-menstrual, tensão durante a menstruação e tensão pós-menstrual.

Em conversas com diversas amigas ao longo desses meus 14 anos menstruando (sim, fiquei mocinha aos 9), o que mais ouvi foram mulheres reclamando sobre a tal tensão:

– “É a pior coisa do mundo, ninguém merece. Choro até em comercial de margarina”.

– “Meu, quando a gente transa sem camisinha e começa os sinais dá aquela alegria sabe, vontade de sair pulando por aí como se eu tivesse ganhado na mega-sena”.

– “Na real um dia de TPM é um dia normal, como qualquer outro, não tenho sintomas, nem cólicas e nem nada”.

Existem, é claro, milhões de receitas milagrosas pra acabar com o que acontece nesse período. Já testei algumas, mas nenhuma deu resultado. A única dica que eu recomendo, que sempre funcionou comigo é: aproveite uma temporada entre mulheres pra poder colocar tudo aquilo que você sente e te faz mal pra fora. Não descontando nos outros, mas, sei lá, escrevendo, cantando, vendo aqueles romances que te fazem chorar como um bebê. Procure se afastar daquilo que te chateia, prefira ficar em casa. E não esqueça de preparar a seguinte poção dos deuses:

– Leite condensado
Nescau

Misture tudo dentro de uma caneca, coloque por dois minutos no microondas. O segredo é ficar olhando porque a mistura sobe e pode derramar. Depois, tire do microondas e espere esfriar um pouco. Agora já pode ser feliz!